Centro, Ílhavo, Ria de Aveiro

O túmulo de D. Manuel de Moura Manuel e a capela da Vista Alegre

A capela da Vista Alegre, em Ílhavo, alberga uma obra-prima do barroco: o túmulo de D. Manuel de Moura Manuel. Contrariando as regras do Vaticano, com profusão de pormenores e uma iconografia rica, o túmulo do bispo de Miranda é surpreendente.




Esculpido em pedra de Ançã pelo escultor francês Claude Laprade, o túmulo monumental de D. Manuel de Moura Manuel é de uma sensibilidade digna de se ver e denota um arrojo de modernidade para a época, os finais do século XVII.

Um túmulo surpreendente
O túmulo de D. Manuel de Moura Manuel

Ao contrário das indicações do Vaticano, a estátua jacente do bispo não se encontra totalmente na horizontal com as mãos postas sobre o peito. Ao invés, a figura do bispo soergue-se do leito da morte e olha para a imagem da Nossa Senhora da Penha de França, a patrona da capela a quem era devoto. Com a mão direita a permitir o equilíbrio e a esquerda como que a começar um movimento a partir do peito, todo o movimento que a escultura imprime é de uma grande sensibilidade.

Ao avistar, no seu leito de morte, a Nossa Senhora da Penha de França, D. Manuel de Moura Manuel ergue-se para a santa e contempla a vida eterna, escapando assim aos braços da morte.

Todo o túmulo é de uma iconografia forte. Começa logo pelos dois leões de pedra que com dificuldade suportam o túmulo, indicando assim o peso da importância do defundo aqui sepultado. Ladeando o túmulo, surgem duas fénixes, em forma de carpideiras e aos pés do leito da morte, um anjo que segura um crânio.

um túmulo de grande sensibilidade
O rosto virado para Nossa Senhora da Penha de França

Sendo figura central do drama, a Nossa Senhora da Penha de França surge-nos em tamanho pequeno e descentrada, ao alto do lado direito de todo o conjunto monumental, para que o rosto de D. Manuel de Moura Manuel possa olhá-la de frente. A figura central é antes o tempo, apresentado como um velho, que está ladeado por dois anjos que levantam o véu da morte, permitindo assim ao defundo contemplar a vida eterna. No arco do conjunto estão esculpidas caveiras que ostentam chapéus representativos das mais elevadas classes sociais, numa clara mensagem de que não importa a importância que tenhamos em vivos pois somos todos iguais perante a morte.

O túmulo de D. Manuel de Moura Manuel é uma obra-prima de rara sensibilidade e a mais importante peça da capela da Vista Alegre, assim conhecida por estar incluída no complexo do museu da bicentenária fábrica. Mas não é o único motivo de visita ao templo.

A capela de Nossa Senhora da Penha de França é um belo exemplo da arquitetura maneirista e do barroco. O seu altar-mor tem uma muito interessante representação do presépio e os tetos do espaço estão repletos de pinturas murais. O teto da capela-mor mostra-nos a Assunção da Virgem e o teto da nave da igreja a Árvore de Jessé. Na capela, destaque ainda para o conjunto de painéis de azulejos setecentistas de Gabriel del Barco, que representam cenas da vida da Virgem.

A beleza da capela surge-nos agora em todo o seu explendor, uma vez que foi objeto de um cuidado restauro em 2015.

A Capela da Vista Alegre ganhou este nome quando foi comprada em hasta pública pelo fundador da fábrica em 1816, que posteriormente edificou o solar que lhe é adjacente, hoje transformado no Hotel Montebello Vista Alegre Ílhavo. Na capela está também sepultado um dos filhos de José Ferreira Pinto Basto, vímita de acidente de cavalo. A família tinha acesso à capela através da janela do quarto do casal, que se abre ao nível do primeiro andar. Hoje, essa janela é parte integrante de uma das suites do hotel.

Reserve no Hotel Montebello Vista Alegre Ílhavo

Para se visitar a capela da Vista Alegre e conhecer o surpreendente túmulo de D. Manuel Moura Manuel há que visitar o Museu Histórico da Vista Alegre. O museu merece uma uma cuidada atenção. O visitante é recebido por um enorme forno que se impõe no átrio. Depois, é toda a história da fábrica, contada através das suas mais significativas peças, mas também lembrando a inovação de um complexo fabril que tinha bairro operário, escola, cantina e até um teatro para os operários.

Uma visita ao Museu Histórico da Bela Vista e à Capela de Nossa Senhora da Penha de França é obrigatório quando se andar pelo território de Ílhavo. Antes ou depois de uma refeição que pode ser de bacalhau ou não, mas que deve privilegiar os sabores do mar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos no Facebook