Lisboa, Região de Lisboa, Vinhos e Gastronomia

Terraço do Marquês ou o espírito da ‘petiscação’

Com vista para o Marquês de Pombal e a espreitar o Tejo, ali mesmo no canto do Parque Eduardo VII fica este quiosque transformado em bar-restaurante, numa parceria com a Heineken. A proposta do Terraço do Marquês é a partilha e a ‘petiscação’, ou seja “a degustação de petiscos”, principalmente os tradicionais portugueses, mas também há pratos com mais substância, incluindo a ‘melhor carne do mundo’: a basca Txogitxu.

Este Terraço todo envidraçado, a aproveitar a bela vista sobre esta zona emblemática de Lisboa, com duas esplanadas – uma virada para a Av. Fontes Pereira de Melo e o Marquês de Pombal e outra para o Parque Eduardo VII –, começou por ser um quiosque em 2010, mas em 2014 os sócios Henrique Pinheiro e Miguel Moreira decidiram mudar o conceito: “a remodelação resultou da parceria com a marca Heineken, que trouxe não só as cervejas, como todo o projeto arquitetónico, incluindo o mobiliário”, explicam.

Terraço do Marquês pára o bulício da cidade
Um terraço de amplas vistas

Curiosamente, ao entrar no restaurante, devido ao reboliço da cidade, seria de esperar algum ruído mas lá dentro o ambiente é calmo, agradável e perfeitamente isolado, com muita luz que entra por todas as ‘paredes’ de vidro. A localização e decoração, minimalista, têm levado também à procura do espaço para eventos vários, como jantares e almoços de empresas ou mesmo à porta fechada, para lançamentos de produtos e outras ocasiões. “Estamos abertos a estas possibilidades e outras, falem connosco e fazemos acontecer”, diz-nos Henrique Pinheiro.

Partilhar é o mote

O Terraço do Marquês não é apenas um restaurante, está aberto todo o dia entre as 12:00 e as 02:00 (exceto ao domingo em que abre às 13:00) e qualquer hora é boa para petiscar e partilhar com família e amigos a comida e a vista. A oferta passa pelas tradicionais tábuas que queijos (nacionais) e os enchidos e fumados de porco preto, mas também se pode deliciar com os peixinhos da horta, com maionese de coentros; o ceviche de espadarte (que nós provámos e estava divinal!); ou as tiras de choco, com maionese de gengibre e tomilho, entre outras opções.

Para almoço ou jantar, aproveite a Txogitxu, carne maturada originária de San Sebastian e que a revista francesa Le Beef considerou “a melhor carne do mundo”. Só podemos dizer que o Chuletón estava no ponto, macio e saboroso, mas pode decidir-se também pelo Entrecote ou apostar num prato tipicamente alemão: o Eisbein.

Mas há também pratos de marisco, massas e saladas. E, devido à localização e grande abundância de clientes que trabalham na zona, o Terraço do Marquês oferece um Menu de Almoço, composto por prato, bebida (água, refrigerante, imperial ou copo de vinho) e café (10€).