Acontece, Vila Franca de Xira

Museu do Neo-Realismo mostra Candido Portinari

O Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira, abre este fim-de-semana o seu espaço para aquela que é a mais completa exposição do pintor brasileiro Candido Portinari em Portugal.




A mostra apresenta todas as obras do artista plástico existentes em Portugal e conta com o mítico quadro “Café”, que atravessou o oceano cedido pelo Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro. A obra, uma das mais significativas do pintor neorrealista brasileiro, foi exposta no nosso país pela última vez em 1940, no pavilhão Brasil da “Exposição do Mundo Português”.

Mas este projeto expositivo, com curadoria da diretora científica do Museu, Raquel Henriques da Silva, e de Luísa Duarte Santos, apresenta-nos também outras obras relevantes, reunindo no Museu do Neo-Realismo todas as que existem em Portugal de Candido Portinari e que, à volta de Café, permitirão celebrar o artista estrangeiro que mais obras tem em Portugal. Candido Portinari em Portugal apresenta pinturas e desenhos cedidos pelo Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado (Lisboa), Museu Nacional Soares dos Reis (Porto), Museu Calouste Gulbenkian (Lisboa), Casa da Achada – Centro Mário Dionísio (Lisboa), Museu Ferreira de Castro (Sintra) e Fundação Millennium BCP (Lisboa), para além de importantes fundos documentais do próprio Museu do Neo-Realismo (Vila Franca de Xira), numa Exposição de grande qualidade e de dimensão internacional, o que vem sublinhar também as características únicas do Museu do Neo-Realismo no panorama cultural português.

Café, de Candido Portinari
café

A exposição Candido Portinari em Portugal tem o alto pratrocínio do Presidente da República e fica patente ao público até 3 de março de 2019.

Candido Portinari

Candido Portinari

Filho de emigrantes italianos, Candido Portinari nasce numa aldeia perto de São Paulo a 30 de dezembro de 1903, onde a população trabalha em cafezais. Tem uma infância muito pobre e apenas completa a escola primária, mas desde cedo começa a demonstrar a sua mestria na pintura.

Aos 15 anos, parte para o Rio de Janeiro e matricula-se na Escola Nacional de Belas Artes. Com 25 anos, ganha um concurso que lhe garante uma viagem à Europa que viria a ser marcante no seu percurso. Passa todo o ano de 1930 em Paris e é aí que decide retratar o Brasil e os brasileiros, com a paleta quente dos trópicos.

“Preocupado, também, com aqueles que sofrem, Portinari mostra em cores fortes a pobreza, as dificuldades, a dor. Sua expressão plástica, aos poucos, vai superando o academicismo de sua formação, fundindo a ciência antiga da pintura a uma personalidade experimentalista moderna”, lê-se no Projeto Portinari,  um portal que reúne toda a obra do artista e que é desenvolvido pelo filho, João Candido Portinari em colaboração com a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

A obra síntese de Candido Portinari
Painel Guerra e Paz, na ONU

Nos anos 40 filia-se no Partido Comunista Brasileiro e concorre a várias eleições, exilando-se por um tempo no Uruguai. A pintura acompanha a sua militância, mantendo um grande foco na temática social, e rapidamente ganha expressão nacional e internacional.

Nos anos 50, cria para a sede das Nações Unidas, em Nova Yorque, o painel Guerra e Paz, considerada pelo líder do Projeto Portinari, a obra síntese da sua vida: “o mais universal, o mais profundo, também, em seu majestoso diálogo entre o trágico e o lírico, entre a fúria e a ternura, entre o drama e a poesia. Na avaliação do artista Enrico Bianco, Guerra e Paz são as duas grandes páginas da emocionante comunicação que o filósofo/pintor entrega à humanidade”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *