Grande Lisboa, Região de Lisboa, Reportagem, Sintra

Base Aérea de Sintra recebe milhares em dia de festa

A Base Aérea nº1, em Sintra, recebeu dezenas de milhares de pessoas no dia em que abriu portas. Miúdos e graúdos poderam ver de perto as aeronaves e conhecer a base onde são formados os pilotos da força aérea.




“Estou no Universo! Isto nunca mais acaba!” Aos gritos, o rapaz extravasa toda a sua informação. Está a experimentar um simulador com óculos de Realidade Virtual e está totalmente imerso para gáudio de todos quantos assistem e se riem.

O dia da Base Aberta foi assim: um dia de emoções e de boa disposição.

Dia de festa na Base Aérea de Sintra
“Estou no Universo!”

A Base Aérea nº1 abriu as portas e preparou um programa de arromba para os muitos que a visitaram. Os aviões foram a razão primeira, mas houve atividades para todos os gostos e idades. Houve demonstrações dos cães da Força Aérea, carros clássicos, quadros vivos com uniformes da 2ª Guerra e do Vietnam. Houve batismos de voo, para o qual se habilitava quem levasse víveres que os militares vão entregar a instituições de solidariedade social. E a base estava quase ininterruptamente a ser sobrevoada por aeronaves.

Este foi um dia em que reinou uma boa disposição transversal, em que se juntaram aos homens e mulheres que aí servem dezenas de milhares de pessoas, famílias inteiras, grupos de amigos, apaixonados pela aviação.

O coronel Luís Serôdio, comandante da Base Aérea nº 1 e um dos mais experientes pilotos da Força Aérea, com mais de 1.000 horas de voo, afirmou ao Portugal de Lés a Lés, ter o sentimento de “missão cumprida pelos sorrisos das crianças e dos que as acompanham” num dia que tem por objetivo “permitir que os portugueses conheçam melhor a sua Força Aérea”.

À entrada, os visitantes eram encaminhados para o Museu do Ar. Os telemóveis e as câmaras iam como que por magia parar às mãos de muitas centenas, deslumbrados com a extensão e qualidade de uma coleção de aviões que é considerada das melhores da Europa, e que mostra alguns dos momentos marcantes da aeronáutica em Portugal. E depois de passarem os três hangares do museu, chegavam à pista. E aqui continuava a exposição. Caças, aviões pesados, aviões ligeiros, todos com o símbolo da Força Aérea estavam em exposição.

E para surpresa de todos quantos pela primeira vez participaram num dia de base aberta, em muitos dos aviões era possível entrar. Pilotos, técnicos e cadetes respondiam a todas as perguntas. Se uma criança se queria sentar aos comandos de um Alpha Jet com as cores da esquadrilha de acrobacia Asas de Portugal podia fazê-lo, se um adulto tinha vontade de conhecer o interior de um P3 Orion de patrulha costeira era convidado a fazê-lo. E mesmo os simuladores onde os pilotos treinam puderam ser experimentados.

É claro que havia fila para todas as atividades, mas este foi um fardo que todos acolheram com um sorriso nos lábios. É que, além do mais, o dia estava soalheiro sem calor em excesso.

O espetáculo também decorreu no ar. Os chipmunks e os Epsilon evoluem em formação, há aviões civis que também cruzam os céus da base de Sintra e o momento que todos esperaram e que foi recebido com manifestações de regozijo: as passagens dos caças F-16.

A base aberta é uma forma de comemorar o aniversário da Força Aérea Portuguesa e repete-se anualmente. Ao longo do mês de setembro todas as bases aéreas abrem as portas ao público. Para a semana é a vez de Monte Real.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *