Castelo Branco-Naturtejo, Centro, Guia, Proença-a-Nova

Guia de Proença-a-Nova

Localizado na zona do Pinhal Interior, o município de Proença-a-Nova promete bons momentos e paisagens deslumbrantes a todos os visitantes. Praias fluviais de águas cristalinas, uma natureza onde o pinhal é rei, aldeias de xisto e museus fazem parte da diversificada oferta que mostramos neste guia de Proença-a-Nova.




Dos que gostam de passeios bucólicos aos amantes dos desportos radicais até aos que não passam sem provar sabores de uma gastronomia única, impõe-se uma visita a Proença-a-Nova, um concelho que nos últimos anos soube apetrechar-se com equipamentos que tornam ainda mais agradável a estada dos forasteiros. E tem a vantagem de estar perto de tudo por ser bem no centro do país e ser dotado de boas acessibilidades.

Nilton tem as suas raízes no concelho e, melhor do que ninguém, diz o porquê de se escolher este concelho como destino para umas férias ou fim-de-semana. Como faz questão de dizer, “estão à espera de quê para ir a Proença-a-Nova?”. Para saber mais, consulte este guia de Proença-a-Nova, onde deixamos sugestões sobre o que fazer, o que ver e também onde comer e dormir.


Bem no centro de Portugal, Proença-a-Nova está a duas horas de viagem de Lisboa e Porto e é servida por uma boa rede de estradas. O IC8 (Figueira da Foz/Castelo Branco) é a melhor via de acesso, venha de onde se vier. De Lisboa ou Porto pode escolher-se a A1 até encontrar a indicação de saída para Castelo Branco. Quem vier de Lisboa ou do interior do país, pode optar por fazer a A23 até encontrar a saída a indicar Coimbra e Figueira da Foz.

Proença-a-Nova é servida pela Rede Expressos, podendo consultar os horários de chegada e partida aqui.

Há muito para fazer em todo o território de Proença-a-Nova. Se os caminhos aqui nos trouxerem por alguns dias, pode-se optar por fazer atividades diversas. No guia de Proença-a-Nova propomos uma série delas para todos os gostos e formas físicas.

A nossa primeira opção foi fazer um roteiro à descoberta da história de Proença-a-Nova, que nos levou a conhecer praticamente todo o território.

Este é um passeio que nos leva a conhecer como que a linha cronológica do concelho, a conhecer antas, pontes de várias épocas e até os fortes do tempo das invasões francesas. No guia de Proença-a-Nova propomos muitas atividades para todos os gostos.

Caminhadas

Há no território de Proença-a-Nova 44,1 quilómetros de percursos pedestres distribuídos por 8 trilhos de pequena rota. Como o terreno é montanhoso, já se sabe que os percursos são de dificuldade diversa.

PR1 – A história na paisagem

Percurso circular fácil com 9 quilómetros de extensão que propõe a descoberta dos monumentos megalíticos existentes no concelho e que comprovam que há já cinco mil anos que o homem ocupa estas zonas.

PR2 – Os segredos do Vale de Almourão

Com apenas 6,5 quilómetros este é um percurso de dificuldade média que a partir da aldeia de Sobral Fernando segue pela encosta escarpada da Serra das Talhadas ao longo do rio Ocreza em direção a Carregais. Aqui poderá ver abutres e cegonhas pretas e deslumbrar-se com as portas do Almourão.

PR3 – Rota das Conheiras

Também com partida de Sobral Fernando e grau de dificuldade médio, a Rota das Conheiras leva-nos pelas margens do Ocreza à descoberta dos vestígios da estração de ouro que aqui se fazia numa escala considerável desde os tempos romanos à Idade Média. As conheiras são as extensas escombreiras formadas por amontoados de seixos e onde era feita a extração aurífera. Na primavera é possível avistarem-se lontras, garças cinzentas e patos bravos.

PR4 – Pela linha da defesa

Guia de Proença-a-Nova
Forte da linha de defesa das invasões francesas

Entre a Sobreira Forosa e a Ponte do Alvito, são 14,5 quilómetros de média dificuldade e a proposta é que se percorram os mesmos trilhos das tropas do general Junot e perceber as linhas de defesa portuguesas, passando por três fortes e uma bateria.

PR5 – Rota dos recantos e encantos

Com um nome destes, percebe-se que o percurso segue por um vale verdejante. Fá-lo ao longo de 11,4 quilómetros de média/fácil dificuldade a partir de Alvito da Beira. Julga-se que o trilho siga por antigas levadas.

PR6 – Viagem pelos ossos da terra

Com um total de 18 quilómetros de média dificuldade, partilha os primeiros 6 com o PR2. As Portas do Almourão – um dos 16 geomonumentos do Geopark Naturtejo – são um dos locais icónicos do trilho que parte de Sobral Fernando e que nos leva ainda a ver a Buraca da Moura e o Escorregadouro da Moura. No cume da serra, temos uma vista de 360 graus.

PR7 – Rota dos Estevais

A partir da biblioteca de São Pedro dos Estevais, este percurso fácil de 7,8 quilómetros leva-nos até à confluência das ribeiras da Pracana e da Freixada e a conhecer o Moinho Novo, a Azenha das Brazinhas e a ponte romana.

PR8 – Caminhos do Xisto da Figueira

Guia de Proença-a-Nova
Aldeia de Xisto de Figueira

A aldeia de xisto da Figueira é protagonista deste percurso fácil de 6,3 quilómetros que nos leva a conhecer o núcleo primitivo do lugar e o seu forno comunitário, mas também a levada e os muros de xisto da ribeira.

BTT

O concelho de Proença-a-Nova tem um total de 139,3 quilómetros de percursos para bicicletas todo o terreno. Os trilhos têm vários graus de dificuldade. Por isso, desde o principiante ao praticante batido, todos terão oportunidade de ter um percurso ao seu nível e gozar das excecionais paisagens que o território oferece.

Além do mais, na Praia Fluvia da Fróia existe um Centro BTT aberto todo o ano que permite a lavagem da bicicleta e ajuste de pressão de pneus, disponibiliza ferramentas para pequenas reparações e ainda tem um chuveiro para o final. Por isso, é deste centro que irradiam todos os trilhos existentes no concelho.

31 – Centro de BTT / Aldeias do Xisto

Com início e chegada no Centro de BTT da Fróia, é um percurso fácil com 6,8 quilómetros de extensão acessível a todos os praticantes. O trilho contorna as margens da ribeira da Fróia e passa pelas aldeias de Pedreira, Fróia e Oliveira.

32 – Centro de BTT / Aldeias do Xisto

Numa pequena parte, este trilho coincide com o nº31, mas depois adopta a forma de um oito. Tem 19,3 quilómetros de extensão e é considerado acessível. A partir do Centro de BTT, tem no seu vértice a vila de Sobreira Formosa e passa pelas aldeias de Pereiro, Figueira e Oliveiras.

33 – Centro de BTT / Aldeias do Xisto

Este é um percurso difícil de 32,3 quilómetros cujo trilho acompanha as ribeiras de Penafalcão e de Chão do Galego, passando ainda pelas de Fróia e de Figueira.

34 – Centro de BTT / Aldeias do Xisto

É um percurso extenso e muito difícil este. Com 79,3 quilómetros de extensão, passa por alguns dos principais pontos de interesse do concelho: Portas do Almourão, Serra das Talhadas, praias fluviais da Fróia, Alvito da Beira e Cerejeira e ainda por Proença-a-Nova propriamente dita.

Escalar e voar

Em Proença-a-Nova é possível desafiar os limites e subir… subir cada vez mais alto.

Escola de Escalada

A Escola de Escalada de Portas do Almourão e Buraca da Moura tem quatro setores em quartzito com 40 vias com alturas que variam entre os 8 e os 30 metros e com índices de dificuldade entre os III a 7C.

Nos dois setores de Portas de Almourão a escala é proibida durante a época de nidificação de dezembro a junho.

A zona de escalada é constituída por placas técnicas com fissuras e regletes que são mantidas limpas. Contudo, deve ter sempre em atenção que a rocha quartzítica é muito fraturada, pelo que deve ter sempre atenção. Nunca escale a solo e faça-se acompanhar sempre por escaladores mais experientes.

Como esta é uma zona muito quente no verão, é aconselhável o uso de protetor solar e muita água. A melhor época de escalada é de setembro a novembro.

Sky Fun Center

No aeródromo municipal das Moitas funciona a escola de paraquedismo Sky Fun Center onde é possível fazer o salto em queda livre assistido (salto tandem) sem formação prévia. É condição indispensável ter entre 30 e 100 quilos, menos de 2 metros de altura e não sofrer de nenhuma cardiopatia grave.

Aqui são ainda ministrados cursos de abertura automática e de queda livre assistida, entre outros.

Tel: 92 55 05 505 / 92 565 05 605

Praias fluviais

Em Proença-a-Nova encontramos 3 praias fluviais e outras tantas zonas balneares e todas de grande qualidade. A atestá-lo está o facto de duas das praias terem sido consideradas “Praia Qualidade Ouro” pela associação ambientalista Quercus e por a praia da Fróia ter ganho o galardão de Praia Fluvial do Ano em 2010.

Fróia

guia de Proença-a-Nova
Praia fluvial da Fróia (foto CMPN)

Num vale profundo e rodeada por muito verde, com um caminho circular de 4,7 quilómetros, a praia da Fróia é um pequeno paraíso. Tem nadador-salvador, instalações sanitárias e primeiros-socorros, restaurante, café parque de merendas e até onde dormir.

Aldeia Ruiva

Num registo completamente diferente, a praia fluvial da Aldeia Ruiva está situada num parque com muita relva e também muitas zonas de sombra. Tem todos os serviços de apoio necessários.

guia de Proença-a-Nova
Praia fluvial do Malhadal (foto CMPN)

Malhadal

A praia fluvial do Malhadal ostenta também o símbolo de Praia Qualidade Ouro da Quercus e é a praia do concelho que tem o espelho de água mais largo. Mesmo ao pé da praia – que tem todos os serviços de apoio – está situada a ponte filipina.

Cerejeira

A Cerejeira é a mais selvagem das zonas balneares do concelho de Proença-a-Nova e é alcançada perto da ponte do Alvito, no extremo norte do concelho. Tem sanitários, duche, parque de merendas e um café de apoio.

Alvito da Beira

À entrada da aldeia de Alvito da Beira, a zona balnear com o mesmo nome tem muita sombra e relva. Dispõe de primeiros socorros, sanitários, parque de merendas e café de apoio.

guia de Proença-a-Nova
Zona balnear de Alvito da Beira (foto CMPN)

Não falamos apenas das vistas neste guia de Proença-a-Nova. Um passeio pelo concelho inclui paragens obrigatórias nos museus e espaços de aprendizagem.

Museus

Centro Ciência Viva da Floresta

Não é um museu na tradicional acepção da palavra. Como todos os outros centro de Ciência Viva, o da Floresta é um espaço para comunicar ciência e fazê-lo de uma forma lúdica. Este é um espaço para crianças de todas as idades em que se sente, toca, experimenta e onde se fica a conhecer melhor a floresta e a necessidade da sua preservação.

E é evidente que um espaço destes construído de raiz e dedicado à floresta só podia estar num concelho como Proença-a-Nova, na zona do Pinhal Interior.

Centro Interpretativo dos Fortes e Baterias

Na vila de Sobreira Formosa, na envolvente do Museu Etnográfico Isilda Martins, encontramos o Centro Interpretativo dos Fortes e Baterias, onde também começa o percurso pedestre PR4. “Em novembro de 1607, as tropas do general Junot atravessaram o concelho de Proença-a-Nova a caminho de Lisboa, para aprisionarem a família real. É a história da linha de fortes e baterias que nas invasões francesas e já antes, nas guerras peninsulares, serviu a defesa da região” que é explicada.

Museu Etnográfico Isilda Martins

Professora primária e ensaiadora do Rancho Folclórico de Sobreira Formosa, Isilda Martins foi recolhendo ao longo de 30 anos um rico espólio etnográfico que agora é visitável no museu que leva o seu nome. Este é um espaço bem organizado e com um excelente acervo.

Como afirmámos na reportagem que na altura fizemos, este é um museu a não perder.

Espaço Ribeiro Farinha

Guia de Proença-a-Nova
Espaço Ribeiro Farinha

Guia de Proença-a-Nova
Espaço Ribeiro Farinha

Ainda na Vila de Sobreira Formosa, mais concretamente no Centro de Artes e Ofícios, encontramos o Espaço Ribeiro Farinha, inteiramente dedicado à obra deste artista plástico que aqui tem as suas raízes e que expôs em mais de uma dezena de países e conta com diversos prémios e distinções ao longo da carreira.

O espaço só está aberto ao domingo, mas um contacto com o Posto de Turismo de Proença-a-Nova ou com o núcleo da Biblioteca Municipal em Sobreira Formosa pode resolver o problema.

Guia de Proença-a-Nova
serra das corgas

Paisagem

Zona de transição entre a Beira Baixa e o Alto Alentejo, o norte do concelho de Proença-a-Nova é mais montanhoso, enquanto que no sul nos aparecem mais as colinas com penedos que são a marca de terras alentejanas.

No norte, destaque para as serras das Corgas e das Fórneas. A primeira, com o Picoto da Espadana a 954 metros de altitude tem boas acessibilidades de terra batida e uma vista de cortar a respiração. Este é um dos geomonumentos do GeoPark Naturtejo e daqui é possível observar a forma da serra das Talhadas, que materializa a megadobra em U – o Sinclinal do Ródão.

Já ao Cabeço dos Três Marcos, na Serra das Fórneas, chega-se por estrada asfaltada por belas paisagens. Lá em cima, disfruta-se de mais uma paisagem única.

Como miradouros, destacam-se ainda o Pico do Vergão, com bons acessos de terra batida, e o Cruzeiro da Serra das Talhadas, onde apenas se chega em viaturas todo-o-terreno ou através do trilho pedestre PR6.

Aldeias

É neste concelho que encontramos a última das aldeias de xisto, aquela que está mais a sul. Figueira é uma bela aldeia a que aconselhamos vivamente a visita neste guia de Proença-a-Nova. Esta é uma aldeia que de noite se fechava e cujo forno comunitário ainda hoje é utilizado todas as semanas para a cozedura do pão do excelente restaurante que lá há.

Nas aldeias de xisto de Proença-a-Nova há ainda que falar de Oliveira, um núcleo tão pequeno que não foi considerado para a rede mas que está muito bem conservado e onde é possível garantir alojamento. É aqui que é possível ver os trabalhos de cestaria e as miniaturas de xisto dos artesãos locais.

Mas em qualquer das aldeias de Proença-a-Nova os visitantes são bem recebidos e, quem sabe, do contacto com os seus habitantes poderá ficar com memórias para a vida.

https://youtu.be/n57WRsTxwzE?list=PLWttJBLwn9yqL27lOCGgH4V5I9AH3DHnB

Há pratos especiais neste concelho e quem os sirva a preceito. Um guia de Proença-a-Nova tem de incluir referências ao Plangaio e ao Afogado da Boda. O primeiro é um enchido que apenas aqui se encontra e o segundo um prato comum à zona do Pinhal Interior e poderá encontrá-los nos restaurantes locais, juntamente com o mais conhecido Maranho.

Esta é uma listagem dos restaurantes a que fomos e onde provámos a comida.

guia de proença-a-nova
Restaurante Casa Ti Augusta

Casa Ti Augusta (Figueira)

Excelente restaurante instalado numa casa de xisto que pertenceu outrora à Ti Augusta. Tem como especialidades o Afogado da Boda, cabrito assado, maranho e naco de cabra. Está aberto às sextas, sábados e domingos e nos restantes dias sob marcação. Boa comida e apresentação num belo edifício e muita simpatia.

Casa Milita
Cabrito assado

 

Noite e Dia (Vale da Mua)

Este café restaurante tem um excelente peixe do rio frito e umas costeletas de borrego muito saborosas. Além destas, as suas especialidades são o cozido à portuguesa e as migas de peixe. Aberto todos os dias.

Plangaio, enchido tradicional de Proença-a-Nova
Plangaio reinventado pelo Chef João Branco

Hotel das Amoras (Proença-a-Nova)

O Restaurante das Amoras serve cozinha tradicional revisitada pelo chef João Branco. Está aberto todos os dias e tem como especialidade o lombo de novilho com picadinho de cogumelos selvagens envolto em massa folhada e molho de frutos silvestres. Está aberto todos os dias ao público em geral. Foi aqui que provámos o Plangaio, numa receita não tradicional e surpreendente.

Casa Milita
Cabrito assado

Milita (Proença-a-Nova)

No centro de Proença-a-Nova, a D. Milita serve um bom cabrito assado com arroz de miúdos e maranhos como especialidades. Nesta casa que fecha ao domingo à tarde convém reservar lugar aos almoços.

Cafetaria Municipal (Proença-a-Nova)

Neste moderno e agradável espaço, as especialidades são o bitoque de maranho e a francesinha, mas as saladas e massas são também de provar. Aberto todos os dias.

 

Com tanto para ver e fazer, tanto para descobrir e coisas únicas para provar, um guia de Proença-a-Nova não pode ficar completo sem os locais para descansar.

Nos cinco dias que o Portugal de Lés a Lés passou no concelho, ficámos alojados no Hotel das Amoras, na vila. Este é um bom hotel de quatro estrelas com quartos espaçosos e limpos e um bom restaurante.

No concelho há ainda uma série de propostas de alojamento, nomeadamente turismos rurais e de aldeia. A Casa Ti Augusta, na aldeia de xisto da Figueira, também tem alojamento, além do excelente restaurante.

Junto às praias fluviais e zonas balneares também há opções. No Malhadal temos a Quinta Casa do Açude e em Fróias o alojamento local em casas de xisto da Aldeia de Oliveiras, lugar onde encontramos ainda a Quinta da Eira. A Casa da Encosta fica em Cunqueiros e a Casa da Lena em Sobral Fernando. Em Cimadas Cimeiras estão as Casas de Pedra e a Casa da Avó Céu fica em Casais Fundeiros.

A Casa da Encosta fica localizada em Cunqueiros e O Francês é um estabelecimento de hospedagem em Proença-a-Nova.